Arquivos da categoria: Saúde

CRIANÇA DE 5 ANOS MORRE APÓS SER PICADA POR ESCORPIÃO

Uma criança de 5 anos morreu depois de ser picada por escorpião, em Araçatuba. A menina foi sepultada na manhã de ontem 08/04/2018 em um cemitério particular da cidade. Segundo o que foi apurado pela reportagem, a criança foi picada em um dos pés na casa da avó na sexta-feira (06/06/2018). A menina passou mal, foi levada ao pronto-socorro e depois para a Santa Casa, onde morreu no sábado (07/04/2018) à tarde.

Ela era aluna da Emeb (Escola Municipal de Educação Básica) Roseli de Oliveira, que fica no bairro Petit-Trianon. Uma nota comunicando o falecimento da aluna foi postada em um perfil de rede social da escola. A postagem gerou grande comoção entre pais de alunos.

Esperamos que a vigilância sanitária da região tenha mais atitude perante os escorpiões para que ninguém mais venha a falecer por conta disso.

 

Fonte: Folha da Região.

Share Button

Os perigos para a saúde que moram no seu banheiro

Alguns itens que parecem inofensivos no nosso banheiro podem trazer sérios riscos à saúde, segundo novos estudos. Desde as toalhas molhadas estendidas e compartilhadas, até o próprio sabonete ou os brinquedos de borracha para as crianças, todos podem acabar sendo transmissores de doenças para crianças e adultos.

“O banheiro é um lugar bastante complicado quando o assunto é higiene”, disse John Oxford, professor emérito de virologia da Universidade Queen Mary, em Londres.

A segurança é outra questão importante no que diz respeito aos banheiros. Veja a seguir preocupações e dicas de especialistas:

Em estudo reportado pela imprensa britânica, o Instituto Federal Suíço de Ciência e Tecnologia Aquática e a Universidade de Illinois analisaram 19 brinquedos de banheira e identificaram fungos em 58% deles.

O líder do estudo aconselhou a não esguichar água do pato no rosto de uma criança, pois isso poderia causar “infecções nos olhos, ouvidos ou mesmo problemas gastrintestinais”.

Como você dá banho em um recém-nascido? Os pais sabem que um bebê é delicado demais para sentar em uma banheira normal, então é comum usarem cadeirinhas especiais para mantê-los ali.

No entanto, essas cadeirinhas não oferecem 100% de proteção.

cadeirinha de banho para bebê

Um porta-voz da Sociedade Real pela Prevenção de Acidentes britânica disse à BBC que as “cadeirinhas de banho normalmente trazem uma falsa sensação de segurança, já que os bebês podem se afogar em apenas alguns centímetros de água. Isso pode acontecer em questão de segundos, e silenciosamente”.

“É importante manter o bebê ao alcance do braço o tempo todo para você conseguir segurá-lo se ele escorregar na água, uma vez que ele não conseguirá se endireitar sozinho.”

O propósito de um sabonete é justamente limpar suas mãos e seu corpo – então esse é o último lugar onde você imaginaria encontrar germes.

Mas “a bactéria pode ficar no sabonete e passar de pessoa para pessoa”, disse o professor John Oxford.

sabonete

“O banheiro é o lugar ideal para um vírus permanecer e se espalhar pelos moradores da casa.”

Oxford aconselha, nesses casos, a utilizar sabonete líquido em dispensador para reduzir os riscos.

O Instituto Nacional de Saúde britânico recomenda, também, que equipes de saúde pública usem sabão líquido e água morna para lavar as mãos.

A boa e velha toalha de secar a mão ou o corpo após o banho também pode abrigar germes. Por isso, especialistas orientam que elas não sejam emprestadas para ninguém.

toalhas

Mas e quanto à toalha de mão que fica no banheiro compartilhado por todo mundo, inclusive pelas visitas? “Eu evitaria até isso. Os germes podem ficar na toalha por horas. Na verdade, uma toalha é um ótimo lugar para eles ficarem, já que é uma atmosfera úmida e propícia”, afirmou.

A combinação de chão molhado e sabão cria o perigo de quedas graves no banheiro, que podem resultar em fraturas, cortes e hematomas – sendo os idosos os mais suscetíveis.

Uma estratégia para evitar isso pode ser forrar o chão com tapetes de borracha e antiderrapantes, além de instalar barras de apoio para as mãos em locais estratégicos.

Fonte: BBC.

Share Button

Região recebe mais de R$ 3 milhões para a saúde

A região de Araçatuba receberá mais de R$ 3 milhões do governo de São Paulo para investimentos na área da saúde ao longo do ano, ainda pouco perto dos milhões que pagamos em impostos. Serão 24 municípios na região de Araçatuba. Andradina e Penápolis receberão os maiores valores: R$ 395 mil e R$ 365 mil, respectivamente.

Os recursos serão repassados aos municípios para aquisição de ambulâncias, vans para transporte de pacientes, custeio, aquisição de equipamentos e de medicamentos.

A Prefeitura de Penápolis receberá, por exemplo, R$ 100 mil para custeio, R$ 100 mil para aquisição de ambulâncias, R$ 100 mil para reforma de unidades e mais R$ 65 mil para aquisição de veículos. Já Araçatuba terá R$ 50 mil para aquisição de equipamentos.

Para fins de custeio, serão investidos mais de R$ 950 mil na região – Gastão Vidigal recebe R$ 100 mil enquanto Castilho, Ilha Solteira, Lourdes e Pereira Barreto serão contemplados com R$ 50 mil cada um. Guzolândia terá R$ 150 mil; General Salgado, R$ 30 mil; Alto Alegre, R$ 175 mil; Buritama, R$ 80 mil; e Guararapes receberá R$ 150 mil para a Santa Casa de Misericórdia.

Para aquisição de ambulâncias, Pereira Barreto e Santo Antônio do Aracanguá receberão R$ 90 mil cada um; Andradina, R$ 100 mil; Braúna, R$ 91,8 mil; Luiziânia e Coroados, R$ 120 mil cada um.

Para aquisição de veículos para transporte de pacientes, os contemplados foram: Sud Mennucci (R$ 78,5 mil), Itapura (R$ 31 mil), Auriflama (R$ 100 mil) e Murutinga do Sul (R$ 50 mil). Andradina e Guararapes terão ainda R$ 120 mil e R$ 100 mil, respectivamente, para aquisição de equipamentos e mobiliários para suas santas casas.

Em Ilha Solteira, a Associação Lar São Francisco de Assis na Providência de Deus terá R$ 50 mil para aquisição de equipamentos; Andradina, R$ 175 mil para aquisição de máquinas e equipamentos médico-hospitalares; e Alto Alegre R$ 100 mil.

A Associação Hospitalar de Clementina terá investimento de R$ 150 mil e a Prefeitura de Sud Mennucci, R$ 100 mil para aquisição de veículo utilitário.

Apesar de parecer que foi benefício e investimento, é obrigação do estado manter a saúde da população, principalmente quando se paga os impostos da Suécia e se vive como se morasse no Quênia.

Share Button

Procura por vacina contra febre amarela diminui

Embora os casos de morte por febre amarela sigam subindo desde o começo de 2017 e tenham atingido o número de 93 vítimas no último dia 23 (contra 76 até o dia 16, segundo a Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo), milhões de doses da vacina fracionada continuam dentro dos refrigeradores dos postos de saúde, à espera da população.

Na prática, a situação em São Paulo passou de uma corrida desenfreada aos locais de vacinação para o encalhe de doses.

O não comparecimento do público na frequência desejada pelas autoridades fez com que o fim da campanha de vacinação no Estado fosse postergada do dia 17 de fevereiro para o dia 2 de março. No entanto, a três dias do término do prazo estendido, 5,1 milhões de pessoas não foram vacinadas em 54 cidades abrangidas pela campanha. A proposta é imunizar 9,2 milhões nesses locais.

Se a doença em si assustou em um primeiro momento, a população parece agora mais preocupada com eventos adversos da vacina. Um dos sinais disso são postagens que pipocam nas redes sociais atribuindo ao produto complicações as mais variadas possíveis: “Tem gente que está perdendo filho na barriga por conta de ter tomado a vacina”, “Vacina causa outras doenças no futuro, como câncer”, “Vacina é armadilha”, “60 médicos americanos dizem ao mundo não tomem o veneno da vacina da morte da febre amarela”.

A vacina tem eficácia superior a 95%, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), e, mesmo fracionada, protegeria a pessoa por no mínimo oito anos. Em seguidas entrevistas, Helena Sato, diretora de Imunização da Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo e colega de Regiane, faz questão de reiterar em frente das câmeras: “Não precisamos ter medo dessa vacina, ela é excelente”.

Desde janeiro de 2017, poucos são os casos de óbitos atribuídos oficialmente a uma reação à vacina da febre amarela – mais precisamente, apenas três pessoas entre quinze suspeitas, todas no Estado de São Paulo e todas com menos de 60 anos e sem registro de doenças anteriores.

São considerados efeitos adversos leves febre, dor no local da aplicação, vermelhidão, dor de cabeça, dor abdominal. Entre os graves, estão encefalite, meningite, doenças autoimunes com envolvimento do sistema nervoso central e periférico, como a Guillain-Barré, afora infecção semelhante à forma severa da doença, chamada de doença viscerotrópica aguda. Ela normalmente começa com ânsia, vômito e fadiga e pode evoluir para sintomas como dificuldade para respirar, taquicardia, hemorragia, insuficiências hepática e renal. Em alguns casos leva a óbito. A incidência dos efeitos adversos graves foi de 4,2 casos por 1 milhão de doses administradas. Regiane de Paula fala em um caso de morte a cada 500 mil. Ou seja, dois casos em 1 milhão.

Nas redes sociais, alguns internautas atribuem à vacina de febre amarela diversas complicações; registros oficiais indicam poucos casos de óbitos oficialmente ligados à imunização. Não se pode deixar a ignorância vencer o bom senso. A vacina é ainda a melhor forma de prevenção!

Share Button

Empresa norueguesa vaza dejetos no Pará

Áreas no Nordeste do Pará foram contaminadas pelo vazamento de rejeitos de bauxita da barragem da mineradora norueguesa Hydro Alunorte, segundo laudo divulgado nesta quinta-feira pelo Instituto Evandro Chagas, em Belém. O relatório aponta que houve contaminação ambiental em três comunidades do município de Bacarena, que fica a 15 quilômetros de Belém. Em nota, a empresa disse que irá analisar o laudo para se pronunciar.

Antes do laudo, a empresa negou por duas vezes a contaminação. “A Hydro Alunorte reitera que seus depósitos de resíduos são seguros e, mesmo com as intensas chuvas na região de Barcarena, não houve qualquer tipo de vazamento ou rompimento”, informou o texto divulgado pela empresa na quarta-feira.

A P-51 e outras 30 plataformas na Bacia de Campos vão se adequar a regras do Ibama, diz a estatal
Ibama acusa Petrobras de fraude ambiental
Resíduos da Vale vazam no mar do Espírito SantoResíduos da Vale vazam no mar do Espírito Santo
— Foi constatado que houve vazamento das bacias de rejeitos da bauxita. Fotografamos os efluentes invadindo a área ambiental — disse o pesquisador Marcelo de Oliveira Lima, do Instituto Evandro Chagas.

A suspeita de vazamento de rejeitos começou no último sábado. Moradores do local registraram imagens da alteração na cor da água do rio que passa pelo município. No domingo, uma inspeção da secretaria estadual de Meio Ambiente descartou o vazamento. No entanto, o Ministério Público estadual e o Ministério Público Federal iniciaram investigações e solicitaram que o Instituto Evandro Chagas analisasse amostras da água. Na segunda-feira, a Câmara dos Deputados criou uma comissão externa para acompanhar as investigações.

O laudo do instituto aponta que os índices de sódio, nitrato e alumínio estavam acima do permitido, além do PH estar no nível 10. As amostras analisadas também indicaram alto nível de chumbo. De acordo com Marcelo Lima, o estado da água é “nocivo aos seres vivos”.

A empresa fez uma ligação clandestina para eliminar esses efluentes contaminados que estavam acumulados dentro da fábrica para fora da área industrial, contaminando o meio ambiente e chegando às comunidades.

Segundo a perícia, a empresa não tem capacidade de tratar os seus efluentes, e o Instituto Evandro Chagas recomenda que, neste momento de chuvas fortes, seja reduzida ou suspensa a produção, porque as bacias não irão suportar o grande acúmulo de material.

Já foram instaurados dois inquéritos pelo Ministério Público do Pará para apurar as denúncias de vazamentos ocorridos em Barcarena. Um inquérito civil foi instaurado pela Promotoria de Justiça de Barcarena e está sendo elaborado a partir de informações colhidas por promotores de justiça. O segundo inquérito, instaurado pela promotora Eliane Moreira, da 1ª Região Agrária, apura os impactos socioambientais provocados pelo vazamento.

A população exige punição para os culpados e tratamento do meio ambiente.

 

Fonte: G1.

Share Button

Com infestação acima de 10%, Birigui inicia mutirões de limpeza

Agentes comunitários fazem limpeza de áreas com materiais que possam servir de criadouro do mosquito

O resultado do primeiro Liraa (Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti) de 2018, feito pelo Serviço de Vigilância Epidemiológica da Prefeitura de Birigui deixou a administração em alerta. O município obteve índice de 10,2%, enquanto o recomendado pela OMS (Organização Mundial de Saúde) é de até 1%.

Diante do resultado, a administração programou ações emergenciais de prevenção e combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, chikungunya, zika vírus e febre amarela. A partir desta quinta-feira (15), diversas ações serão feitas pela Secretaria de Saúde para diminuir o índice de infestação. Os trabalhos foram definidos em reunião entre o CCVZ (Centro de Controle de Vetores e Zoonoses), Vigilância Sanitária, Vigilância Epidemiológica e ESF (Estratégia Saúde da Família).

Agentes comunitários de saúde e de combate a endemias, além de supervisores, realizarão mutirões nos bairros Residencial Braguim, Parque Residencial Pinheiros, Parque Pinheiros, Jandaia 1 e 2, Jardim Planalto, Residencial Mário Crem dos Santos e Jardim Ypê.

“O índice é preocupante, pois coloca a cidade em risco para surto de dengue e outras doenças transmitidas pelo mosquito. Vamos realizar mutirões em todas as áreas com maior concentração de larvas e intensificar outras atividades que são realizadas diariamente. Pedimos à população, nossa principal aliada, que nos ajude nesta luta”, disse o educador de saúde, Marco Antônio Sanchez.

Nos bairros Cidade Jardim e Vila Bandeirantes, áreas com maiores focos de larvas, já houve eliminação de potenciais criadouros do mosquito das residências, estabelecimentos comerciais e terrenos baldios, bem como o trabalho de conscientização dos moradores.

Os mutirões contam com o apoio da secretaria de Serviços Públicos, Água e Esgoto, no recolhimento dos materiais inservíveis retirados dos imóveis. Além dos mutirões, foi intensificado também o monitoramento regular dos pontos estratégicos e imóveis especiais, como escolas, hospitais, ferros-velhos, borracharias, entre outros.

A equipe do IEC (Informação, Educação e Comunicação) mantém os trabalhos educativos nas unidades escolares, visando alertar as crianças sobre os perigos da dengue e demais doenças.

O Liraa se dá pela divisão do número de recipientes encontrados com larvas pela quantidade de imóveis visitados, multiplicado por 100. Conforme o Executivo, os agentes de combate a endemias percorreram 472 quadras, onde foram vistoriados 2.062 imóveis por toda a cidade. Durante o levantamento, foram encontrados 209 criadouros com larvas e, dentre os recipientes flagrados pelos profissionais de saúde nos imóveis estão ralos internos e externos, vasos de plantas, bebedouros de animais, latas, frascos e plásticos utilizáveis, baldes, pneus, lonas, piscinas, entre outros.

A região com maior infestação é a que compreende os bairros Cidade Jardim, Vila Bandeirantes, Bosque da Saúde, Vila Xavier, Jandaia 2 e o Pinheiros, com índice de 13,53%. Na sequência aparecem Distrito Industrial, Novo Parque São Vicente, Vila Isabel Marin, Jardim do Trevo e Vale do Sol, com resultado de 9,39%.

A região dos bairros Quemil, Silvares, Recanto Verde, Portal da Pérola, Santo Antônio e Aeroporto aparece na sequência com 9,32%. Já a área que concentra o Monte Líbano, João Crevelaro, Ivone Alves Palma, Copacabana, Alto do Silvares, Cohab 3, São Braz e Thereza Maria Barbieri, teve índice de 7,85%.

A administração informou que, dentre os fatores que contribuíram para o aumento do índice do Liraa está os “fatores climáticos e ambientais”. De janeiro até o último dia 5, foram registrados quatro casos positivos de dengue e 19 estão sob investigação. Estão sob análise dois casos de chikungunya e um de zika. Não há nenhuma notificação por febre amarela.

Em 2017, Birigui registrou 88 casos positivos de dengue e seis de chikungunya.

Fonte: Folha da Região.

Share Button

Se matarem macacos, mosquitos vão atrás de sangue humano

Fotos de corpos de macacos têm se espalhado pela internet desde o aumento, nos últimos meses, dos casos de febre amarela em regiões dos Estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Distrito Federal. E muitos desses animais não morreram por causa do vírus: foram executados com pedras, pauladas ou envenenamento. Além de cruel, a medida tem efeito contrário ao imaginado por muitas pessoas: prejudica o combate à doença.

Os macacos são o alvo preferido dos mosquitos silvestres que transmitem a febre amarela, que costumam voar na altura da copa das árvores.

Muitos primatas acabam desenvolvendo a doença e morrem. Ao verificar um volume expressivo de corpos deles em determinada região, autoridades sanitárias e pesquisadores conseguem identificar a presença da febre amarela, traçar o possível trajeto do vírus – conforme os corredores da floresta existente – e planejar ações de imunização das pessoas.

A doença tem tido um impacto tão expressivo na população de macacos da Mata Atlântica que existe o temor, por exemplo, de que todos os bugios desapareçam das florestas do Rio de Janeiro.

Para piorar, os poucos macacos que sobreviveram à febre amarela ou escaparam do vírus estão sendo vítimas da desinformação. Muitas pessoas matam esses animais por acharem que eles são responsáveis pela propagação da doença.

Só este ano, dos 144 macacos mortos recolhidos pela Vigilância Sanitária e Controle de Zoonoses do Rio de Janeiro para testes de febre amarela, 69% foram executados – apresentavam várias fraturas ou veneno no organismo.

Em todo o ano passado, dos 602 animais mortos, 42% foram assassinados, segundo dados do órgão.

Nem o mico-leão-dourado escapou. Corpos de animais dessa espécie, ameaçada de extinção, também foram localizados com sinais de execução.

Mas o que os “caçadores” de macacos não sabem é que, ao contrário de evitar a propagação da febre amarela, matar os bichos expõe os seres humanos a riscos maiores de contrair esse mal grave, que pode matar.

A febre amarela é uma doença infecciosa que é transmitida, no Brasil, principalmente por mosquitos silvestres dos gêneros Haemagogus e Sabethes, que moram na copa das árvores e têm predileção pelo sangue de primatas.

Depois disso, o organismo passa a produzir anticorpos e a concentração do vírus diminui. Em cerca de dez dias, macacos e seres humanos terão morrido ou se curado da doença, ficando imunes a ela.

Já o mosquito permanece com o vírus da febre amarela para sempre. Eles podem até passar o vírus para os ovos e, consequentemente, para os filhotes que nascerem.

Se muitos macacos começarem a morrer, a tendência é aumentar a chance de contaminação de humanos. Sem ter primatas para picar na copa das árvores, os mosquitos buscarão alimento em outras localidades – e o homem vira a próxima opção como fonte de sangue.

Isso porque o homem é um animal que se assemelha ao macaco. Por isso, naturalmente, se torna alternativa para o mosquito da febre amarela, que buscará instintivamente um bicho geneticamente próximo. O que não significa que outros bichos não possam ser, eventualmente, picados pelos mosquitos silvestres da febre amarela. Há evidências de marsupiais que já foram picados, mas eles não são “receptivos” ao vírus e, portanto, não ficam doentes, nem se tornam hospedeiros.

Nesses casos, o vírus da febre amarela não interage com o material genético da célula hospedeira de outras espécies – todo vírus tem uma “chave”, ou molécula sinalizadora, que só é reconhecida pela “fechadura” (membrana plasmática) de algumas espécies. A “fechadura” varia conforme a espécie.

Suponha que desaparecessem todos os macacos da serra da Cantareira. O mosquito picaria pessoas. Se você diminui a população de macacos, mais gente será picada.

Além de servirem de isca para mosquitos, evitando com isso que mais humanos sejam picados, os macacos alertam para o “trajeto” do vírus pelo país.

Matar macacos significa levar também a morte para a sua família.

Fonte: BBC.

Share Button

Falta dentista no bairro Colinas

Em Birigui, moradores do Bairro Colinas sofrem com a falta de dentista no Posto de Saúde, e com isso são obrigados a se deslocar para locais distantes na cidade em busca de atendimento.

A população clama por atendimento no bairro que é praticamente uma cidade.

 

 

Share Button

Saiba mais sobre o botox

A toxina botuliníca ou botox, como é mais conhecida é utilizada como tratamento estético, você conhece os efeitos ou como cuidar da pele após a utilização?

O efeito do botox começa a partir de 48hrs, na maioria das pessoas. Com 7 dias já se tem quase todo o efeito. O efeito pleno acontece por volta do 15º dia, quando o dermatologista normalmente pede para reavaliar e começa a diminuir, em média, com 3 a 4 meses, quando começa a passar. Com aproximadamente 6 meses ele acaba.

A aplicação não dói e podem surgir pequenos hematomas nos primeiros dias.  O sol deve ser evitado nos primeiros dias.

A aplicação de botox não deixa a pele flácida e não aumenta a flacidez. Se você interromper as aplicações de botox por um período muito superior a 6 meses, sua pele irá voltar ao que era antes de começar a aplicar, muitas vezes até um pouco melhor.

Não existe limitação de idade para receber a aplicação de botox, o bom senso é que determinará a conduta.
Não existe uma época certa para começar a fazer, você pode iniciar mais cedo caso note que já estão aparecendo algumas rugas de expressão, ou em casos onde as rugas de expressão são muito marcam muito a pele.

 

Após aplicar o Botox, evite deitar por 4 horas, para permitir adequada distribuição do produto na pele.  Ao aplicar a Toxina Botulínica, evite realizar massagens e limpezas de pele exageradas por 24 horas.  Evite cosméticos e produtos para a pele por 24 horas após a aplicação do botox (maquiagem leve é permitida após 6 horas) e evite exercícios físicos no dia da aplicação de botox.

Share Button

Vigilância interdita fábrica de shoyo em Araçatuba; proprietários são presos

Investigadores encontraram diversos tonéis, matéria-prima e grande quantidade do produto,

 

Uma equipe do GOE (Grupo de Operações Especiais), da Polícia Civil de Araçatuba, descobriu, na tarde desta sexta-feira (26/01/2018), um barracão no bairro São João em condições precárias e que funcionaria como fábrica de shoyo (molho de soja), produto distribuído e comercializado por supermercados da cidade e região.

Os dois sócios-proprietários foram presos em flagrante por infração do artigo 272 do Código Penal (adulterar produtos alimentícios, tornando-os nocivos à saúde).

Membros da Vigilância Sanitária estiveram no local e interditaram o prédio por tempo indeterminado. O proprietário da empresa afirma que o espaço funciona apenas como depósito do produto.
Segundo apurado pela reportagem, a fábrica de shoyo foi descoberta por acaso, durante abordagem do GOE a uma pessoa suspeita, que foi vista pelos policiais abrindo o portão do barracão. Ao ser questionado, esse rapaz disse que trabalhava no prédio, onde funcionava a fábrica.

Ao entrarem no imóvel, os investigadores encontraram diversos tonéis, alguns de plástico, matéria-prima e grande quantidade do produto, parte dele já pronto para ser comercializado. Também havia uma mesa com um galão de água de 20 litros contendo shoyo.

Aparentemente esse galão era utilizado para abastecer os frascos que são distribuídos para os estabelecimentos comerciais. Havia ainda uma grande quantidade de shoyo dentro de um tambor, que estava destampado, e embalagens vazias e etiquetas para identificar o produto.

Após identificar a suposta fábrica do produto, os policiais comunicaram a Vigilância Sanitária, que visitou o prédio. Em seguida, os técnicos foram até uma loja que fica na mesma rua, onde o empresário comercializa temperos de fabricação própria e de outras marcas.

Ele, que estava no barracão e acompanhou o trabalho de perícia feita por integrantes do IC (Instituto de Criminalística), disse que a pessoa abordada pelos policiais quando abria o portão do imóvel foi contratada para demolir o prédio, que está sendo desativado. Segundo o empresário, esse depósito está sendo transferido para outro barracão. “Não fabricamos nada aqui, o prédio está sendo demolido”, argumentou.

A Prefeitura de Araçatuba emitiu nota no final da tarde, informando que a Vigilância Sanitária interditou, por tempo indeterminado, o barracão em que foi encontrada uma suposta “fábrica de shoyo”.

Segundo a administração municipal, o material encontrado no local foi apreendido e será inutilizado nos próximos dias. “Também serão recolhidos os produtos se forem encontrados em locais de venda”, informa a nota.

A Vigilância Sanitária lavrou um auto de infração em desfavor do proprietário da empresa, que terá dez dias para apresentar defesa. Após esse prazo, a Prefeitura definirá se caberá possível multa.
Com relação ao prédio utilizado para comercializar os produtos, a Prefeitura informa que a empresa também terá que regulamentar a documentação necessária para obter a licença para armazenagem dos demais produtos encontrados no local.

Segundo a polícia, no comércio apenas a linha de produção foi interditada e os produtos que são de outros fabricantes podem ser vendidos normalmente no espaço.

O shoyo da marca dessa empresa seria comercializado em seis supermercados de Araçatuba, um em Andradina, um em Lins e um em Penápolis. Os temperos também seriam vendidos para quatro restaurantes de Araçatuba.

Share Button
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...