MORADORES ABANDONADOS A DÉCADAS

Olha a situação desta travessa, Peri na vila Roberto próximo a escola do Sesi,muito movimentada,esperamos providências urgente,já ocorreu vários acidentes aqui.

Share Button

Mirandópolis, Andradina e Castilho sofrem com a falta de combustível

A greve dos caminhoneiros iniciada no dia 21, em todo o Brasil, começa a refletir na região devido à falta de combustível em alguns postos. O movimento é justamente devido ao alto preço do diesel, derivado do petróleo, além de pedágios.
Desde ontem, pelo menos dois postos de Mirandópolis estavam sem combustíveis. Em um deles, até à tarde não havia gasolina nem etanol, mas no começo da noite um carregamento do derivado de cana-de-açúcar foi entregue. Em outro, não havia nenhum dos dois combustíveis.

O diretor regional do Sincopetro (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de São Paulo) de Araçatuba, Júlio Castilho, disse que faltará combustível na região, especialmente a partir de distribuidoras sem base local. Apenas a Shell, por meio da Raízen, tem base em Araçatuba. Ipiranga e BR (Petrobras) possuem bases em Presidente Prudente e São José do Rio Preto.

Entre Mirandópolis e Guaraçaí, um posto à margem da rodovia Marechal Rondon (SP-300) serviu de ponto de encontro de caminhoneiros em greve. Os manifestantes ocuparam – em fila – parte da pista, formando aglomeração na rodovia. No entanto, não houve tumulto, segundo a Polícia Rodoviária.

Em Araçatuba, a concentração de caminhoneiros também foi na Rondon, em um posto ao lado da base da Polícia Rodoviária, sentido a Birigui. Os manifestantes estão no local desde segunda-feira (21) e até ontem não chegaram a ocupar a pista. Eles permaneceram no pátio convidando outros motoristas a participarem da paralisação.

A Plural (Associação Nacional dos Distribuidores de Combustíveis, Lubrificantes, Logística e Conveniência) enviou nota informando que “está atenta às manifestações e apoia as autoridades para mitigar eventuais transtornos à sociedade”. Citou ainda que “acionou um Comitê de Gerenciamento de Crises para coordenar as ações em torno desta situação e informar ao mercado e ao Governo sobre a evolução do cenário”.

E que pediu apoio à Casa Civil da Presidência da República, à ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) e aos ministérios dos Transportes e da Segurança Pública para que seja garantida a livre circulação dos caminhões de distribuição de combustíveis e lubrificantes.

Share Button

CAMINHONEIROS EM GRAVE PODE PARAR O PAIS


Varios setores ja estão sem produtos ceagespe de São paulo,Rio de Janeiro e Minas ja estão trabalhando com 50% dos produtos,e os motoristas avisam se não resolver vai parar onibus,a coisa se piorar vai ficar ruim faltando alimentos na mesa do povo,por causa do descaso dos governantes desrespeito ao povo ,esperamos uma solucão.
imagem net

Share Button

Hoje faltará água em Birigui

A Secretaria Municipal de Serviços Públicos, Água e Esgoto comunica que haverá interrupção parcial no fornecimento de água nesta quarta-feira, dia 23 de maio, devido a falhas mecânicas no sistema de bombeamento de água potável para abastecimento do Reservatório Saudades.

A manutenção emergencial dos equipamentos e substituição de peças será feita pela Prefeitura no período da manhã. A previsão é concluir os trabalhos o mais rápido possível, visando não agravar o problema e retomar o abastecimento com agilidade.

Como o Reservatório Isabel Marin é abastecido pelo Reservatório Saudades, os bairros abastecidos por ambos os reservatórios poderão ser afetados pela paralisação.

A administração municipal solicita aos moradores dos bairros atendidos por estes reservatórios que economizem água tratada em suas residências, procurando, desta forma, não agravar o problema.

Segue, abaixo, a relação dos bairros atingidos pela paralisação parcial do sistema de distribuição de água nesta quarta-feira, dia 23 de maio:

Centro, Jardim Nossa Senhora de Fátima, Vila Giampietro, Jardim Tropical, Vila do Chafariz, Patrimônio Santo Antônio, Jardim Toselar, Residencial Alvorada, Jardim Marister, Jardim Vista Alegre, Jardim Europa, Jardim Guaropé, Vale do Sol, Vila Staff, Vila Cortelazzi, Jardim Pérola, Jardim Morumbi, Vila Gardenal, Vila Pontes, Vila Troncoso, Jardim Santa Isabel, Jardim Mavan, Jardim Estoril, Stábile e adjacências, Icaray, Jardim Bela Vista, Jardim Nova Era, Vila Saudades, Residencial Pedro Marin Berbel, Residencial Eurico Caetano, Novo Jardim Stábile e Vila Izabel Marin.

QAP Birigui sitt bilde.

O setor de água e esgoto da secretaria funciona na rua Guanabara, 256, Jardim Clayton. O atendimento ao público é de segunda a sexta-feira, das 7h às 17h.

Em casos de emergência, os moradores dos bairros afetados pela paralisação parcial do sistema podem ligar para 0800-7701095 ou para (18) 3643-6207.

Share Button

Esburacada, rua no Novo Parque São Vicente, em Birigui, é alvo de reclamações

Moradora diz que buracos existem há muito tempo e que, pela falta de reparos e chuva, a situação só piora

Cada vez mais os buracos são alvos de reclamações da população. Em Birigui, uma moradora que não quis ser identificada, falou da situação em que a rua Dr. Durval Tanaka, no bairro Novo Parque São Vicente. A reclamação dela não de apenas um buraco, mas da rua inteira que está em situação precária.

“Os buracos já existem tem um tempo e com a falta de reparos só vai piorando. Principalmente na época de chuva”, explica a moradora. Além dos buracos, a via é próxima da antiga via de trem, o local ainda tem muito acúmulo de mato e sujeiras. Ela acredita que a Prefeitura já tenha conhecimento do problema, porém falta uma solução para o caso.

Outro ponto apontado pela moradora é o descaso com a rua. “Ruas próximas já foram recapeadas, mas esse trecho parece esquecido”, ela ainda ressalta que utiliza a via todos os dias e que logo em breve ela pode sofrer algum dano material. “Às vezes fica impossível desviar dos buracos, de tantos que tem aqui”.

A Operação Tapa Buraco da Prefeitura tem deixado a desejar.

Fonte: Folha da Região.

Share Button

Vereador Cido Saraiva e servidores do Legislativo viram réus em ação

Saraiva diz que “a licitação foi por necessidade da Câmara” e não recebeu qualquer valor

O vereador Aparecido Saraiva da Rocha (MDB), de Araçatuba, virou réu na ação que investiga suposta fraude em licitação para aquisição de armários deslizantes pela Câmara Municipal em 2012, período em que ele presidia a casa. Nesta semana, a Justiça de Araçatuba aceitou a denúncia feita pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado) do Ministério Público, núcleo de Araçatuba, em dezembro do ano passado.

São réus no mesmo processo o diretor da Câmara de Araçatuba, Antônio Lourenço Leal; o diretor do Departamento Administrativo, Genilson Yoshio Kajiwara; e o assistente legislativo Alcides Evangelista. Respondem, ainda, o vereador de Catanduva Daniel Palmeira de Lima e o empresário Edson Vando de Lima, que teria participado da suposta fraude. Oscar de Camargo, outro denunciado morreu, segundo informado à Justiça. Os réus terão dez dias de prazo para apresentar resposta à acusação, após as citações.

No despacho feito no último dia 15, o juiz da 1.ª Vara Criminal Roberto Soares Leite cita que a investigação contra os integrantes do Legislativo de Araçatuba teve início a partir de inquérito instaurado pelo Gaeco de Piracicaba, para identificar organização criminosa voltada à prática de crimes de fraude em licitação, corrupção ativa e lavagem de dinheiro.

 

Fonte: Folha da Região.

Share Button

Em Araçatuba: reajustes para servidores serão votados pela Câmara

Câmara ira decidir sobre aumentos a servidores e secretários

A Câmara de Araçatuba vai votar, na próxima segunda-feira (21/05/2018) , o reajuste salarial dos servidores e secretários municipais. Os funcionários públicos da prefeitura terão aumento de 5,1%, enquanto os titulares de pasta e chefe de gabinete vão ter seus ganhos elevados em 9,22%. Os projetos que estabelecem os reajustes foram enviados ao Legislativo no último dia 3 deste mês.

O percentual de aumento para os servidores corresponde a 2,94% de inflação acumulada no ano passado, conforme o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), mais 2,16% de ganho real. Além disso, o vale-alimentação será corrigido em 11,11%, passando de R$ 270 para R$ 300.
Embora não seja ainda o ideal, o presidente do Sisema (Sindicato dos Servidores Municipais de Araçatuba e Região), Denilson Pichitelli, que é vereador pelo PSL, considerou que o reajuste foi positivo e disse que agradou a categoria. O município tem 3.502 servidores ativos e 1.057 inativos, mais 287 pensionistas e 421 estagiários, o que dá um total de 5.267 pessoas.
Segundo a administração municipal, se a prefeitura atingir a arrecadação orçada para 2018 (R$ 572 milhões), as despesas previstas com folha de pagamento e encargos serão de 42,62% de todo o orçamento. O limite com a despesa, de acordo com a LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal), é de 54% do orçamento.

No último mês de abril, a Prefeitura de Araçatuba pagou aos servidores municipais, com todos os encargos somados, a quantia de R$ 16 milhões. A previsão é de que em 2018 o município gaste R$ 209 milhões com a folha de pagamento, incluindo no cálculo o 13º salário.
Não existe um piso salarial para os funcionários da prefeitura, pois cada padrão de vencimento, que representa o cargo do servidor que entra no serviço público, tem um salário inicial. No entanto, o mínimo que se paga atualmente na atual gestão do prefeito Dilador Borges (PSDB) é igual ao valor do salário mínimo paulista: R$ 1.108,38. De acordo com o município, ninguém recebe menos do que isso.

Fonte: Folha da Região.

Share Button

Tribunal condena Borini, 6 réus e 2 empresas da “Máfia do Asfalto”

Desembargador reforma sentença de primeira instância

O TJ-SP (Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo) reformou sentença e condenou por improbidade administrativa o ex-prefeito de Birigui Wilson Borini (DEM) e outros seis réus e duas empresas ligados ao Grupo Scamatti no processo envolvendo a chamada “Máfia do Asfalto”. Porém, a Corte deixou de aplicar a pena de ressarcimento dos danos causados ao erário, pois não ficou provado o prejuízo aos cofres municipais. Os acusados podem recorrer.

Ao ex-chefe do Executivo foram aplicadas as sanções de suspensão dos direitos políticos por cinco anos, pagamento de multa no valor de dez vezes o salário que ele recebia na época dos fatos e proibição de contratar com o poder público por três anos. Os demais réus foram condenados às mesmas penas.

A Promotoria de Justiça de Birigui ingressou com o processo em decorrência da Operação Fratelli, deflagrada em 2013, que apontou um esquema de fraudes em licitações para obras de asfalto em 80 cidades no interior do Estado de São Paulo, sendo que 15 delas ficam na região de Araçatuba. As infrações tinham início nos gabinetes de deputados, que destinavam emendas parlamentares aos municípios. No entanto, para as verbas ser liberadas, os gestores tinham que se comprometer a beneficiar com contratos para a prestação dos serviços as empresas do Grupo Scamatti e suas “parceiras” nas fraudes.

Em Birigui, embora contasse com uma equipe de licitações, o ex-prefeito decidiu enviar ele mesmo os convites para contratar empresas para executar as obras de asfalto com dinheiro recebido das emendas parlamentares. Escutas telefônicas mostraram que uma das firmas participantes tinha ligações com o Grupo Scamatti.

Outra evidência da fraude foi a apresentação de propostas com valores acima do orçado pela prefeitura, que foi de R$ 81 mil. A vencedora do certame foi a que propôs quantia menor para os trabalhos, no montante de R$ 79 mil. Os prejuízos seriam na ordem de R$ 239 mil.

Fonte: Folha da Região.

Share Button

MORADORES DE RUA EM BIRIGUI AO RELENTO EM FRENTE À CAIXA FEDERAL

A população em Birigui está entristecida com o aumento de moradores de rua na cidade. Fala abrigos? Falta verba? Cadê o respeito pelos seres humanos?

Share Button

Governo diz que nova lei trabalhista é aplicável a todos os contratos da CLT


De acordo com parecer jurídico elaborado pela Advocacia Geral da União (AGU), e aprovado pelo Ministério do Trabalho, a reforma trabalhista é aplicável de “forma geral, abrangente e imediata” a todos os contratos de trabalho regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), inclusive àqueles iniciados antes de sua vigência, em novembro do ano passado.

O parecer não tem força de lei. É um entendimento e uma orientação do ministério sobre o tema. Mas, segundo nota emitida pelo ministério, o parecer, aprovado pelo ministro, obriga os fiscais do trabalho a segui-lo.

De acordo com nota divulgada pelo Ministério do Trabalho sobre o parecer publicado nesta terça-feira, a medida provisória (MP 808) que fazia ajustes na nova legislação trabalhista e perdeu a eficácia em abril de 2017 “não modifica o fato jurídico de que a Modernização Trabalhista é aplicável a todos os contratos de trabalho regidos pela CLT, inclusive àqueles iniciados antes da vigência da nova Lei, e que continuaram em vigor após 11 de novembro de 2017”.

Seis meses após sua criação, a reforma trabalhista saiu do papel e vem mudando aos poucos a dinâmica das relações entre patrão e empregado. A nova lei trabalhista entrou em vigor em 11 de novembro de 2017.

Acordos coletivos emperraram diante do impasse entre empresas e trabalhadores, especialmente em pontos específicos que têm sido questionados na Justiça do Trabalho. O fim da contribuição sindical obrigatória é um deles e já teve reflexos na arrecadação dos sindicatos, que caiu 80%.

Além disso, a MP que regulamentava pontos da nova lei trabalhista, em vigor desde novembro do ano passado, também perdeu a validade, pois não foi votada em tempo hábil. Entre as regras previstas na MP que deixam de valer, estão pontos relacionados ao trabalho intermitente, de gestantes e lactantes em locais insalubres, de autônomos, além de regras para jornada de 12 horas de trabalho seguidas de 36 horas de descanso.

Já no Supremo Tribunal Federal (STF) é discutida a primeira ação que questiona a constitucionalidade da nova lei. Os ministros precisam decidir se o trabalhador considerado pobre e com direito a justiça gratuito seria obrigado a pagar as despesas do processo em caso de derrota, como estabelece a reforma. A votação começou nesta quinta-feira (10), mas foi interrompida pelo pedido de vista de Luiz Fux, e não há data para o julgamento ser retomado.

A nova lei também é discutida no Tribunal Superior do Trabalho (TST). O tribunal analisa processo que questiona o alcance da nova lei trabalhista – se as regras valem tanto para os novos contratos de trabalho quanto para aqueles assinados antes da lei. A discussão foi suspensa em fevereiro deste ano. Uma comissão no tribunal está estudando o assunto.

Fonte: G1.

Share Button
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...