Arquivo da tag: paulista

Araçatuba Entra Na Fase Vermelha

Seguindo o decreto estadual, a Prefeitura de Araçatuba está, desde este domingo, na transição da fase emergencial para a fase vermelha. Com isso, haverá abertura do comércio e permissão para atividades religiosas. Essa flexibilização, em todos os municípios paulistas, ocorre em virtude da queda das taxas de internações e de ocupação de leitos UTI Covid relatada nos gráficos do Plano de São Paulo.

A fase de transição perdura por duas semanas e permitirá o retorno gradual e seguro das atividades presenciais, com limitação a 25% da capacidade de ocupação do estabelecimento e aplicação de protocolos sanitários rigorosos; toque de recolher das 20h às 5h; teletrabalho para atividades administrativas não essenciais e escalonamento do horário de entrada e saída de atividades do comércio, serviços e indústrias.

As primeiras mudanças, de 18 a 23 de abril, adotadas pela Prefeitura de Araçatuba, permitirão abertura e atividades comerciais das 11h às 19h e atividades religiosas com restrições. Para a semana seguinte, o Governo Estadual promete, além destas mudanças, o funcionamento de serviços gerais restaurantes e similares, atividades culturais, salão de beleza e barbearia, no horário das 11h às 19h e academias nos períodos de 07h às 11h e 15h às 19h.

CULTOS

Os cultos religiosos estão autorizados, dentro das normas do Plano SP. Os fiéis devem procurar suas igrejas ou assembleias para verificar os horários dos encontros. Em nota, o Bispo Diocesano de Araçatuba, Dom Sérgio Krzywy, informou que estão autorizadas as celebrações presenciais no território da Diocese de Araçatuba, menos no horário das 20h às 05h, restrição imposta pelo governo estadual. As igrejas fixarão horários das missas em suas entradas.

VACINAS

A Secretaria de Saúde informa que iniciará a vacinação de idosos com 66 e 65 anos. A vacinação para os idosos de 66 anos será nos dias 19 e 20 de abril. Já para os idosos de 65 anos será nos dias 22 e 23. Também está sendo aplicada a segunda dose em idosos de 69 anos ou mais e essa vacinação vai se estender por toda a semana que vem, de 19 a 23 de abril, com exceção do dia 21, que é feriado. O agendamento dos idosos de 66 e 65 anos poderá ser feito a partir do dia 16 de abril no site da prefeitura aracatuba.sp.gov.br/vacina. Atenção: é necessário levar CPF e documento com foto.

POSTOS FIXOS

■ Horário: 13h às 19h
■ Araçatuba Shopping
■ Shopping Praça Nova
■ Paróquia São Paulo Apóstolo – Rua Francisco Cardassi 319 (bairro Planalto)
■ NGA – Núcleo de Gestão Assistencial
■ Drive Thru

■ Horário: 13h às 19h
■ Recinto de Exposição Clibas de Almeida Prado

■ Zona rural
■ Horário: 8h às 19h
■ UBS Taveira

Fonte: Folha da Região

Share Button

Região reduz ocupação de leitos de UTI Covid, mas permanece sob alto risco

See the source image

A região de Araçatuba teve redução na taxa de ocupação de leitos de UTI, mas continua com elevadas variações de casos e de óbitos, tanto que somos a segunda pior DRS em casos por 100 mil habitantes e a terceira pior em óbitos por 100 mil habitantes. Houve uma redução na ocupação de leitos de UTI, de 94%, na quarta (7), para 90,7%, na quinta (8).

Os dados são do DRS (Departamento Regional de Saúde), atualizados na quinta-feira (8). Em contrapartida, a DRS II também continua com elevados índices de variação de casos e de óbitos nos últimos 14 dias por 100 mil habitantes, 812,7 e 47,1, os piores do estado, respectivamente.

A variação semanal de novas internações por dia é a terceira melhor do estado, em decréscimo com -15,7%. Já na ocupação dos leitos de enfermaria, a DRS de Araçatuba é a terceira pior do estado, com 76,8%. Foram 87,3 pessoas internadas a cada 100 mil habitantes, nos últimos 14 dias. São 21,6 leitos de UTI a cada 100 mil habitantes.

Região de Araçatuba é a segunda do estado em quantidade casos por 100 mil habitantes, com 7.596,7 casos, atrás somente de São José de Rio Preto, que tem 9.629,7 casos positivos por 100 mil habitantes. Já são 58.042 casos desde o início da pandemia, com decréscimo de -18,4% na variação semanal. O departamento tem mais de 764 mil pessoas e já conta com 1.604 óbitos, com uma variação semanal de 2,2%, a segunda pior do estado, atrás somente da Baixada Santista. São 209,9 mortos por 100 mil pessoas, desde o começo da pandemia, o terceiro pior índice de São Paulo.

ARAÇATUBA

Na Santa Casa a taxa de ocupação da UTI é de 102%. O Hospital tem 36 internados na terapia intensiva, sendo 32 casos confirmados e quatro em investigação. 79% dos leitos de enfermaria dedicados ao tratamento de pacientes com Covid-19 estão ocupados, sendo, no total, 51 pacientes, 39 confirmados e 12 em investigação.

Na Unimed, são 30 pacientes na UTI, com uma lotação de 150% sendo que na UTI Covid há 20 leitos oficiais. Nas enfermarias, há 20 internados, uma taxa de lotação de 55%. BIRIGUI A Santa Casa de Birigui está com 100% de ocupação na UTI, sendo 10 internados, quatro confirmados e seis aguardando resultados. A enfermaria está com 12 pacientes, sendo 12 confirmados, com uma taxa de lotação de também 100%.

PENÁPOLIS

A cidade tem, até o momento, oito dos 10 leitos de UTI Covid estão ocupados. Quatro pacientes são moradores de Penápolis, com diagnóstico positivo para Covid-19. Um paciente é morador de Luiziânia e um é de Birigui. Dois pacientes internados na ala apresentam outra comorbidade. Na UTI Geral com dez leitos, seis estão ocupados.

Três são moradores de Penápolis, todos positivos para Covid-19. Um é morador de Avanhandava e dois pacientes apresentam outra comorbidade. Na Enfermaria Covid, 24 dos 32 leitos estão ocupados. 19 pacientes são moradores de Penápolis, todos positivos. Um paciente é morador de Alto Alegre, dois de Avanhandava, um de Braúna e um é residente em Birigui. Na Enfermaria Geral, 11 eitos estão ocupados por pacientes com diagnóstico de Covid-19. 10 são moradores de Penápolis, nove positivos e um aguarda o resultado. Um paciente é morador de Barbosa. Os três leitos de suporte ventilatório estão disponíveis.

Fonte: Folha da Regiao.

Share Button

Araraquara X Bauru: dois retratos do Brasil com e sem lockdown contra a covid-19

Rua do centro de Araraquara com lojas fechadas
Legenda da foto,Lockdown decretado pela prefeitura de Araraquara chegou a parar inclusive transporte público e supermercados

Ao mesmo tempo em que o Brasil enfrenta o momento mais mortal da pandemia sem um plano nacional para conter o avanço do coronavírus, governos locais vêm tomando suas próprias ações para lidar com a covid-19 e suas variantes.

Mas isso nem sempre acontece de forma coordenada.

Enquanto o governo estadual de São Paulo impôs uma série de restrições (veja mais abaixo), dois municípios chamam atenção por posturas opostas contra a pandemia. Bauru e Araraquara estão separadas por cerca de 100 km.

De um lado, o prefeito de Araraquara, Edinho Silva (PT), decretou um rigoroso lockdown em fevereiro, depois de um aumento brusco em números de casos e ocupação de leitos de UTI. O município suspendeu todos os serviços que não têm relação direta com a área da saúde, incluindo transporte público e supermercados — que só podiam funcionar pelo sistema de delivery.

Já em Bauru, a prefeita Suéllen Rosim (Patriota) impôs restrições mais leves. Ela defende a abertura de lojas e tem declarado que lockdown não funciona. No Instagram, Rosim publicou vídeo de uma carreata que, em suas palavras, pedia a “abertura responsável do comércio local”. Em outra publicação em que aparece cantando em uma igreja, em fevereiro, a prefeita disse que “tudo deveria ser considerado essencial em quase um ano de pandemia”lsa

Em entrevistas, Rosim também criticou restrições impostas pelo governo estadual para tentar reduzir os casos de covid-19 e disse que o lockdown “não funcionaria em Bauru”.

“Araraquara é prova disso”, afirmou ao portal UOL.

Depois do lockdown, no entanto, Araraquara viu queda em casos diários e mortes. Já em Bauru, nas últimas semanas, tanto a média diária de mortes quanto a de casos subiram.

Não existe definição única para “lockdown”, mas o termo se refere a medidas duras tomadas por governos para restringir radicalmente a circulação de pessoas. Isso inclui o fechamento por longos períodos de escritórios, serviços considerados não-essenciais (fora saúde e segurança, por exemplo) e locais públicos.

Em alguns países, decretos de lockdown incluíram multas e outras penas para quem insistir em sair de casa e desobedecer regras de isolamento.

O objetivo da medida é garantir o distanciamento social – uma prática defendida por cientistas, governos e pela Organização Mundial da Saúde para reduzir contaminações e mortes pelo coronavírus.

Ruas de Londres desertas durante lockdown
Ruas de Londres ficaram desertas durante lockdown; após meses de fechamento, Reino Unido inicia relaxamento das medidas restritivas

O efeito do lockdown

Araraquara registra média de 11,9 mortes por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias. A taxa de Bauru, no mesmo período, é bem mais alta: 26,4 mortes por 100 mil habitantes, segundo dados de 7 de abril divulgados pelo governo estadual.

É importante notar que esta comparação revela a proporção de mortes nas duas cidades, e não seus números absolutos. Este paralelo permite um retrato mais fiel da realidade nos dois lugares, especialmente porque suas populações são bem distintas: Bauru tem 379 mil habitantes e Araraquara, 238 mil.

l

Os dados de casos diários de covid-19 mostram que Araraquara, que apostou em lockdown, teve queda de mais de 50% na média de novos casos diários, passando de quase 140 no fim de fevereiro para pouco mais de 60 em meados de março.

No mesmo período, o número de casos em Bauru subiu, como mostra o gráfico abaixo.

Evolução de casos de covid por dia. Média móvel (7 dias).  População de Bauru (379 mil) é maior que a de Araraquara (238 mil).

Em março, a quantidade de mortes — que geralmente demora mais a refletir medidas restritivas, devido ao tempo natural que a doença leva para se desenvolver nas pessoas — subiu em Bauru e caiu em Araraquara.

Evolução de óbitos por dia. Média móvel (7 dias) em 2021.  População de Bauru (379 mil) é maior que a de Araraquara (238 mil).

Outro dado essencial para entender a situação da doença e a capacidade de atendimento das cidades é o número de internações.

As informações sobre fevereiro e março mostram alta na média diária de internações em Bauru, que se aproximou de 130 na segunda quinzena de março.

Em Araraquara, a média móvel de internações cresceu no início de fevereiro e, depois, se manteve relativamente estável. A prefeitura diz que os dados gerais de internação não refletem totalmente quedas em casos e óbitos no período porque, depois da desaceleração no ritmo de infecções locais, Araraquara passou a atender maior pacientes de fora do município.

Evolução de internações por dia. Média móvel (7 dias) em fevereiro e março.  População de Bauru (379 mil) é maior que a de Araraquara (238 mil).

Em entrevista à BBC News Brasil, o prefeito Edinho Silva disse que pacientes de Araraquara ocupam atualmente 36% dos leitos de UTI e 29% dos leitos de enfermaria. Já moradores de outras cidades ocupam, segundo ele, 53% dos leitos de enfermaria e 61% dos leitos de UTI.

Em fevereiro, no pico da contaminação, Silva diz que a maioria dos pacientes internados moravam na cidade.

“Inclusive, (na época) mandamos pacientes para outras regiões do Estado porque todos os nossos leitos estavam ocupados”, diz. “Agora completamos 30 dias sem nenhum paciente aguardando internação nas unidades do município. Para nós, é a principal demonstração de que estamos no caminho certo.”

Silva diz que “o lockdown é a última saída, quando você tem uma curva de contaminação altíssima como essa que enfrentamos no fim de janeiro e começo de fevereiro”. Ele considera o resultado das medidas restritivas “inegável”, apontando a redução de casos e mortes no município.

A BBC News Brasil procurou a prefeita de Bauru para entrevistas, mas sua assessoria de imprensa informou que ela não teria disponibilidade.

Por e-mail, a prefeitura disse que o aumento de casos no município “se deve à presença das novas variantes, o que acontece no país todo”.

A assessoria disse ainda que a prefeita “mantém o mesmo posicionamento sobre o lockdown, diante da realidade econômica e social do país”. A reportagem havia questionado se, diante do atual cenário, a prefeita mantinha a visão de que “lockdown não funciona”.

A nota aponta que a prefeitura considera que “o momento é crítico, como ocorre em praticamente todos os municípios”.9

“A perspectiva é que, com o avanço na vacinação e com as medidas de enfrentamento, os casos e óbitos diminuam nas semanas seguintes.”

A prefeitura de Bauru disse ainda que, além das determinações estaduais, “a prefeitura de Bauru limitou a 30% a capacidade de ocupação dos supermercados, com a entrada de apenas uma pessoa de cada família” e proibiu venda de bebidas alcoólicas das 18h às 6h, em todos os dias da semana, além de ter ampliado a fiscalização.

Tanto Bauru quanto Araraquara informaram que seguem o calendário de vacinação do governo estadual e que nesta etapa (em 5 de abril) vacinam pessoas a partir de 68 anos e começam a imunização de profissionais da segurança pública.

Especialistas têm apontado que o Brasil não pode apostar exclusivamente na vacinação, sem outras medidas de controle. O ritmo de imunizações no país é menor que o esperado e, mesmo países com vacinação mais acelerada, como Israel e Reino Unido, fizeram lockdown enquanto imunizavam boa parte de suas populações.

Falta de coordenação

Jair Bolsonaro
Embora tenha começado a aparecer de máscara em algumas situações, Bolsonaro segue criticando lockdown

A falta de um plano nacional de medidas restritivas para combater a covid-19 é visto como um fator que dificulta o cumprimento de regras estaduais e municipais pela população. O presidente Jair Bolsonaro tem criticado repetidamente medidas de lockdown, normalmente sob o argumento de que muitos brasileiros precisam sair para trabalhar e sustentar suas famílias.

O governo federal, no entanto, passou os três primeiros meses de 2021 sem pagar o auxílio emergencial. A retomada acontece em abril.

Fonte: BBC Brasil.

Share Button
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...