Arquivo da tag: ecologia

Região reduz produção de lixo anual

Segundo dados divulgados pela Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), no ano de 2016, 43 cidades da região de Araçatuba produziram uma média de 595,91 toneladas de lixo por dia. Em 2017, esse número caiu para 592,48 t/l/dia. A redução foi de apenas 0,57%. Essa diferença na produção de lixo resultou em 368,43 toneladas a menos.

Na contramão do Brasil, região reduz produção de lixo anual

Já no resto do país, a geração total de resíduos sólidos urbanos em 2017 foi de 78,4 milhões de toneladas, o que representa crescimento de 1% em relação a 2016, passando de 212.753 toneladas por dia para 214.868 t/dia. Esse levantamento foi divulgado no Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil, documento lançado pela Abrelpe (Associação Brasileira das Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais).

O levantamento mostra que cada brasileiro também produziu mais lixo em 2017 (378 kg por ano), volume que daria para cobrir 1,5 campo de futebol. A Abrelpe não especifica o motivo da redução do lixo na região de Araçatuba, mas atribui o aumento nacional à retomada da economia – com mais dinheiro, o brasileiro passou a descartar mais materiais.

O problema é que sete milhões de toneladas de resíduos, ou o equivalente a 6,1 mil piscinas olímpicas, tiveram destino impróprio. Na região, segundo a Cetesb, apenas em Murutinga do Sul o descarte de lixo ainda é considerado inadequado. Na cidade, o IQR (Índice de Qualidade de Resíduos) é um dos mais baixos do Estado (2,70). O IQR mais alto dentre as 43 cidades é Mirandópolis (9,82). Araçatuba, a cidade que mais produz lixo na região, ficou com IQR 8,80.

Fonte: Folha da Região.

Share Button

Se matarem macacos, mosquitos vão atrás de sangue humano

Fotos de corpos de macacos têm se espalhado pela internet desde o aumento, nos últimos meses, dos casos de febre amarela em regiões dos Estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Distrito Federal. E muitos desses animais não morreram por causa do vírus: foram executados com pedras, pauladas ou envenenamento. Além de cruel, a medida tem efeito contrário ao imaginado por muitas pessoas: prejudica o combate à doença.

Os macacos são o alvo preferido dos mosquitos silvestres que transmitem a febre amarela, que costumam voar na altura da copa das árvores.

Muitos primatas acabam desenvolvendo a doença e morrem. Ao verificar um volume expressivo de corpos deles em determinada região, autoridades sanitárias e pesquisadores conseguem identificar a presença da febre amarela, traçar o possível trajeto do vírus – conforme os corredores da floresta existente – e planejar ações de imunização das pessoas.

A doença tem tido um impacto tão expressivo na população de macacos da Mata Atlântica que existe o temor, por exemplo, de que todos os bugios desapareçam das florestas do Rio de Janeiro.

Para piorar, os poucos macacos que sobreviveram à febre amarela ou escaparam do vírus estão sendo vítimas da desinformação. Muitas pessoas matam esses animais por acharem que eles são responsáveis pela propagação da doença.

Só este ano, dos 144 macacos mortos recolhidos pela Vigilância Sanitária e Controle de Zoonoses do Rio de Janeiro para testes de febre amarela, 69% foram executados – apresentavam várias fraturas ou veneno no organismo.

Em todo o ano passado, dos 602 animais mortos, 42% foram assassinados, segundo dados do órgão.

Nem o mico-leão-dourado escapou. Corpos de animais dessa espécie, ameaçada de extinção, também foram localizados com sinais de execução.

Mas o que os “caçadores” de macacos não sabem é que, ao contrário de evitar a propagação da febre amarela, matar os bichos expõe os seres humanos a riscos maiores de contrair esse mal grave, que pode matar.

A febre amarela é uma doença infecciosa que é transmitida, no Brasil, principalmente por mosquitos silvestres dos gêneros Haemagogus e Sabethes, que moram na copa das árvores e têm predileção pelo sangue de primatas.

Depois disso, o organismo passa a produzir anticorpos e a concentração do vírus diminui. Em cerca de dez dias, macacos e seres humanos terão morrido ou se curado da doença, ficando imunes a ela.

Já o mosquito permanece com o vírus da febre amarela para sempre. Eles podem até passar o vírus para os ovos e, consequentemente, para os filhotes que nascerem.

Se muitos macacos começarem a morrer, a tendência é aumentar a chance de contaminação de humanos. Sem ter primatas para picar na copa das árvores, os mosquitos buscarão alimento em outras localidades – e o homem vira a próxima opção como fonte de sangue.

Isso porque o homem é um animal que se assemelha ao macaco. Por isso, naturalmente, se torna alternativa para o mosquito da febre amarela, que buscará instintivamente um bicho geneticamente próximo. O que não significa que outros bichos não possam ser, eventualmente, picados pelos mosquitos silvestres da febre amarela. Há evidências de marsupiais que já foram picados, mas eles não são “receptivos” ao vírus e, portanto, não ficam doentes, nem se tornam hospedeiros.

Nesses casos, o vírus da febre amarela não interage com o material genético da célula hospedeira de outras espécies – todo vírus tem uma “chave”, ou molécula sinalizadora, que só é reconhecida pela “fechadura” (membrana plasmática) de algumas espécies. A “fechadura” varia conforme a espécie.

Suponha que desaparecessem todos os macacos da serra da Cantareira. O mosquito picaria pessoas. Se você diminui a população de macacos, mais gente será picada.

Além de servirem de isca para mosquitos, evitando com isso que mais humanos sejam picados, os macacos alertam para o “trajeto” do vírus pelo país.

Matar macacos significa levar também a morte para a sua família.

Fonte: BBC.

Share Button
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...