Crianças são obrigadas a bater meta no pedido de ‘boas-festas’ em Araçatuba

Um dos pontos mais visados por crianças e adolescentes é semáforo entre Pompeu e Duque de Caxias

Um dos pontos mais visados por crianças e adolescentes é semáforo entre Pompeu e Duque de Caxias

A cena já se tornou comum todos os anos. A praticamente duas semanas do Natal, crianças de Araçatuba já estão nas ruas pedindo as chamadas “boas-festas” a motoristas em cruzamentos movimentados da cidade. Para inibir esta ação, órgãos municipais que compõem a rede de proteção à criança e ao adolescente realizam ações de conscientização aos munícipes com relação à doação de dinheiro.

A medida, organizada pelo Conselho Tutelar, acontece desde novembro e conta com o apoio do Comdica (Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente) e da Secretaria Municipal de Assistência Social e Participação Cidadã.

Equipes estiveram em diversos pontos entregando aos motoristas panfletos com informações sobre a importância de não dar nada aos jovens que os abordarem. Uma faixa com os dizeres “Não dê dinheiro no trânsito!” foi exposta.

A conselheira tutelar Lenice Freitas Santos explica que, mesmo que a vontade de ajudar o próximo seja grande, a criança pode estar sendo explorada por um adulto ou, até mesmo, usar o dinheiro que arrecada para comprar drogas. “Recebemos denúncias de que alguns pais estipulam uma ‘meta’ diária, ou seja, avisam que os filhos devem chegar em casa com, no mínimo, R$ 100 de boas-festas”, disse.

O órgão, afirmou Lenice, não é contra a cultura do País do pedido de boas-festas na época natalina, mas se preocupa com a segurança dos menores. “Eles ficam no meio do trânsito, correndo o risco de serem atropelados”, destacou. Além dos adolescentes, o Conselho Tutelar já abordou crianças de apenas 8 anos pedindo dinheiro nos cruzamentos.

“Nós identificamos estas crianças e adolescentes, orientaremos os pais e responsáveis e também entramos em contato com os programas sociais que elas frequentam e fazemos o acompanhamento. Sobre aquelas que não frequentam nenhum projeto, fazemos um estudo social para incluí-las”, explicou.

De acordo com a secretária de Assistência Social e Participação Cidadã de Araçatuba, Maria Cristina Domingues, que participou das ações ocorridas na terça-feira, cerca de 1,2 mil crianças e adolescentes, com idades entre 9 e 14 anos, participam dos programas sociais desenvolvidos na cidade.
O promotor da Infância e Juventude de Araçatuba, Joel Furlan, afirma que já oficiou a Secretaria da Ação Social cobrando ações da rede, como já aconteceu no ano passado. Ele também recomendou que os motoristas não entreguem qualquer dinheiro a essas crianças e adolescentes, mesmo com o coração apertado, pois a pessoa não sabe o que o menor vai fazer com a doação; se vai comprar droga ou ainda se entregar para um adulto explorador.

“Portanto, se quer ajudar, procure uma entidade de sua confiança ou faça algum outro tipo de ação que você terá certeza de que a quantia doada será usada para o devido fim da instituição. Por mais que fiquemos comovidos, a orientação é para que não entreguem nada e que ainda comuniquem o Conselho Tutelar e digam para as crianças e adolescentes voltarem para casa”, orientou.

Fonte: Folha da Região.

Share Button
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...